Como sabemos, foi recentemente decretado um novo confinamento geral. Nesse âmbito, a maioria dos estabelecimentos de comércio e serviços foram forçados a encerrar. Consequentemente, e de forma a mitigar os efeitos económicos, estas empresas poderão voltar a aceder ao regime de lay-off simplificado.

No entanto, se a sua empresa não foi obrigada a encerrar, então ainda tem uma alternativa: o “Apoio Extraordinário à Retoma Progressiva”. Para que possa ter acesso a este apoio, bastará evidenciar uma quebra de faturação superior a 25%.

Por seu lado, importa destacar que o “Lay-off simplificado” e o “Apoio Extraordinário à Retoma Progressiva” não podem ser usufruídos em simultâneo. Portanto, recomendamos que, antes de tomar qualquer decisão, analise o melhor cenário para si.

De modo a elucidá-lo sobre estes dois apoios, queremos abordar aprofundar cada um, para que possa tomar a melhor decisão para o seu negócio.

Consulte em baixo o caso do Bruno, gerente da “Crer e Comer, Lda.”, ou do Pedro, gerente da “SobriShoes, Lda.”, e saiba como eles tomaram a decisão mais acertada.

Todas as entidades forçadas a suspender a sua atividade empresarial terão acesso “automático” ao lay-off simplificado. Ou seja, caso a sua empresa tenha sido obrigada a encerrar, com base nesse fundamento, pode de imediato requerer o lay-off simplificado. Além disso, importa frisar que é possível solicitar o lay-off mesmo que o seu estabelecimento exerça atividades como vendas em take-away.

Na ótica do trabalhador, este irá receber 100% da sua remuneração, tendo um teto máximo de três salários mínimos (1.995€). Na perspetiva da empresa, esta apenas terá de suportar 19,8%, do salário de cada trabalhador. Salientamos ainda que as empresas que usufruírem do lay-off irão beneficiar de isenção total da Taxa Social Única (TSU) a cargo do empregador (23,75%), referente à totalidade das remunerações pagas aos trabalhadores abrangidos pelo apoio. Vejamos um exemplo...


Lay-off simplificado - Exemplo Prático 1

O Bruno, gerente do restaurante “Crer e Comer, Lda.”, foi obrigado a fechar portas durante o novo confinamento geral. No entanto, a empresa irá continuar a vender os seus produtos em take-away. Como tal, o Bruno entende que, durante o período de confinamento, não necessita dos seus dois colaboradores, António e Helena, para funcionar em regime de take-away. Deste modo, o Bruno decide então solicitar o apoio do lay-off simplificado para estes dois colaboradores, sendo que:

  • António, empregado de mesa, recebe um vencimento de 1 200€.
  • Helena, chefe de cozinha, obtém um vencimento de 2 000€.

O Bruno, por sinal, pouco entendedor da matéria, questiona a UWU Solutions sobre qual o valor que, efetivamente, a empresa terá de acarretar por cada colaborador. Analisaremos então a situação do restaurante do Bruno:

Lay-off simplificado - Exemplo Prático 1

Considerando o caso do António, este terá o direito a receber a totalidade do seu salário ilíquido. Para tal, a entidade empregadora terá de suportar 30% de 2/3 desse valor, ou seja 240€. A Segurança Social cobrirá 70% de 2/3 do vencimento normal e ainda o remanescente até perfazer 100% dos 1.200€. Em suma, a empresa terá de assegurar o custo de 20% do salário do António (240€), enquanto que a Segurança Social assegura 80% do rendimento mensal (960€).

O mecanismo a calcular para a realidade da Helena é, portanto, bastante semelhante. Todavia, verificamos que o vencimento normal de Helena é superior ao triplo do salário mínimo nacional (1 995€). Para efeitos de cálculo do valor a suportar pela entidade empregadora, esta terá de assegurar, novamente, 30% de 2/3, mas, de 1.995€ e não do efetivo vencimento normal. Uma vez mais, o remanescente até perfazer 1.995€ será assegurado pela Segurança Social.

No final, 639€ (240€ + 399€) estarão a cargo do restaurante “Crer e Comer, Lda.”. No entanto, a empresa irá receber da Segurança Social um montante de apoio que ascende a 2.556€. Adicionalmente, a empresa do Bruno fica dispensada de pagar 758,82€ de TSU. No total, a empresa irá obter uma poupança de 3.314,82€ (758,82€ + 2 556€).

Caso a sua empresa não se enquadre nas condições para requer o Lay-off simplificado, existe outra opção: o apoio à retoma progressiva. Esta ajuda destina-se a entidades que tenham sido afetadas, de forma significativa, pela pandemia do Covid-19. Deste modo, as empresas cujo mês civil anterior ao do pedido do apoio à retoma, tenham sofrido uma quebra de faturação de 25%, podem solicitar este auxílio.

A quebra de faturação é analisada comparando o mês anterior ao início do apoio à retoma, e:

  • o mês homólogo anterior; ou
  • do ano de 2019; ou ainda
  • à média mensal dos seis meses anteriores.

O mecanismo de apoio à retoma progressiva possui duas fases com diferentes regras de aplicação, ou seja, entre janeiro e abril estamos perante a fase 1 e, posteriormente, durante os meses de maio e junho encontramo-nos na fase 2. Sendo que:

  • Fase 1 – É possível reduzir na totalidade (100%) o período de horas de trabalho.
  • Fase 2 – No máximo, poderá reduzir 75% das horas trabalhadas.


Mas que novos benefícios o apoio à retoma poderá trazer à sua empresa?

1) Permite reduzir os horários dos colaboradores, de acordo com a quebra de faturação. Seguidamente, apresentamos um breve resumo com todas as situações elegíveis a este apoio.

Apoio à Retoma Progressiva - Quadro 1

2) Os gerentes passam a estar abrangidos por este apoio, desde que exerçam funções de gerência e tenham trabalhadores na empresa que requer o apoio. No entanto, a redução do período normal de trabalho será, no limite, 60% e não poderá ultrapassar a dos seus colaboradores. É muitíssimo importante que o gerente, numa ata, registe exatamente o montante de horas não trabalhadas, por dia, devidamente fundamentado, para efeitos de eventual fiscalização.

3) As micro, pequenas e médias empresas irão ainda beneficiar de uma redução de 50% das contribuições à Segurança Social, na parte que diz respeito à entidade empregadora, sendo a mesma calculada sobre a respetiva compensação retributiva das horas não trabalhadas;

4) A remuneração será paga na totalidade a todos os colaboradores, não podendo ultrapassar 3 salários mínimos nacionais (1.995€).

5) As empresas que sofrerem uma quebra de faturação igual ou superior a 75% receberão um apoio adicional pela Segurança Social de, nomeadamente, 35% da retribuição normal ilíquida pelas horas trabalhadas.

Vejamos então um caso prático!


Apoio à Retoma Progressiva – Exemplo prático 2

O Pedro é gerente da “SobriShoes, Lda”, uma loja de sapatos de cortiça. Nos últimos meses, registou-se um decréscimo abrupto nas vendas. A quebra de faturação chegou a atingir os 64%, comparando com o mês anterior. O seu negócio, certamente, já teve dias melhores.

Como tal, Pedro necessita de diminuir em 60% o horário do seu único colaborador:

  • O Hélio, gestor de redes sociais, com um salário de 1.200€.

Apoio à Retoma Progressiva – Exemplo prático 2

Após analisar esta situação, verificamos o seguinte:

1) A empresa sofreu uma quebra de faturação de 64%. Logo, poderá reduzir, no máximo, 60% do período normal de trabalho.

2) A entidade patronal assegurará o valor do vencimento pelas horas trabalhadas, bem como 30% de 4/5 do complemento pela redução de horas. Ou seja, ficará a cargo do Pedro 652,8€ (=480€ + 172,8€ [=30% de 576€]).

3) A compensação retributiva corresponde a 4/5 do valor mensal das horas não trabalhadas, sendo 70% comparticipada pela Segurança Social e 30% pelo empregador, mais o acréscimo necessário para assegurar o montante total mensal efetivamente auferido pelo trabalhador (1.200€).

4) Relativamente à Segurança Social, suportará 70% de 4/5 da contribuição retributiva, isto é, 403,20€ e o acréscimo de 144€, mencionado no ponto anterior.

5) Ainda haverá lugar a isenção de pagamento de 50% da TSU, relativamente à responsabilidade da empresa, especificamente sobre a compensação pelas horas não trabalhadas. Esta poupança será de 85,50€

6) No total, o Pedro consegue economizar 632,70€ (547,20€ + 85,50€) com o apoio à retoma e a dispensa parcial da TSU.


Sabemos que as empresas se encontram numa situação difícil, e mais do que nunca, precisam de toda ajuda necessária para planear os próximos meses. Conseguimos ajudá-lo(a)? Faça como o Pedro e o Bruno, e contacte-nos para o(a) aconselhar!


voupoupar.pt - Livros essenciais para grandes investidores!

Notícias em destaque:

O Orçamento do Estado para 2017 trouxe uma novidade muito relevante quanto à tributação de imóveis: o adicional ao IMI (o chamado AIMI). O valor tributável do imposto corresponderá à ...

Continuar a ler
AIMI - Saiba tudo sobre o novo imposto sobre imóveis

O Pedro e a Joana criaram o seu negócio há cerca de 4 anos. Naturais de Lisboa, foi aqui que decidiram avançar juntos para esta primeira aventura empresarial. O negócio vinha correndo acima...

Continuar a ler
Trespasse ou Venda da empresa [Enquadramento]

Após tomar conhecimento dos benefícios sociais e fiscais associados à aquisição de viaturas elétricas e plug-in, a Silvia...

Continuar a ler
Qual o imposto devido pela venda dos seus veículos?

Venha conhecer o caso da empresa Cobranças Alternativas, Lda., e confira como é possível à sua empresa evitar ser duplamente penalizada!

Continuar a ler
Recupere os impostos de faturas vencidas e evite ser duplamente penalizado!
Visite o nosso arquivo de notícias