Dando continuidade ao conteúdo anterior, onde identificámos os benefícios fiscais sobre a aquisição de viaturas elétricas e híbridas plug-in, partilhamos de seguida o caso do Isaac!


O Isaac é gerente da empresa Resolvemais, Lda. e, no desenvolvimento da sua atividade profissional, tem a constante necessidade de utilizar um meio de transporte para se deslocar até aos seus clientes. Para tal, o Isaac optou por adquirir um veículo ligeiro de passageiros e, de acordo com as condições da sua empresa, definiu o limite de aquisição do mesmo em 30.000€.

Assim, num âmbito comparativo, analisemos os ganhos obtidos simplesmente por ter escolhido um veículo mais amigo do ambiente.

Vamos admitir o valor fixo de 30.000€ e considerar como opções:

  • Uma viatura movida a gasóleo;
  • Uma movida exclusivamente a energia elétrica; e
  • Uma viatura Híbrida plug-in.
Viatura movida a gasóleo

Se o Isaac optar por um veículo movido a gasóleo apenas poderá considerar como custo fiscal o valor de 25.000€, “perdendo” dessa forma a dedução de 5.000€ e não poderá, a nível fiscal, deduzir qualquer valor referente ao IVA.

Quanto às tributações autónomas sobre o veículo, estará sujeito a uma taxa de 27,5%, caso apresente lucro, ou seja, terá de entregar cerca de 8.250€ referentes a tributações. Caso a sua empresa apresente prejuízo, esta tributação será agravada em 10%, tendo de pagar cerca de 11.250€.

Viatura movida exclusivamente a energia elétrica

Em alternativa, se o Isaac optar por um veículo movido exclusivamente a energia elétrica, pelo mesmo valor, poderá considerar o custo total de aquisição na contabilidade da sua empresa.

Poderá deduzir o valor total do IVA da viatura e não terá de entregar qualquer imposto sobre a aquisição da viatura, independentemente do resultado da sua empresa.

Viatura Híbrida plug-in

Por fim, o Isaac tem ainda a possibilidade de optar por uma viatura híbrida plug-in na qual, mantendo o mesmo valor de aquisição, poderá considerar como custo a totalidade do valor de aquisição da viatura deduzido do valor do IVA, pois tem a possibilidade de deduzir o IVA da aquisição da mesma.

E, apesar de estar sujeito à tributação sobre o veículo, esta será inferior, quando comparada com a tributação de um veículo movido a combustíveis convencionais, em cerca de 22,5%.

Assim sendo, a tributação sobre a aquisição do veículo será, neste caso, de 5% o que corresponde a cerca de 1.219,5€, menos cerca de 7.030,5€ quando comparado a uma viatura movida a combustíveis convencionais. Caso a empresa apresente prejuízo esta tributação será agravada em 10%.

Conclusão

Após confrontar as suas opções, o Isaac verificou o seguinte:

Do ponto de vista fiscal a opção pelo veículo movido a gasóleo é claramente a menos favorável.

Efetivamente, combinando o efeito simultâneo do IVA e do IRC, as opções elétricas e híbrido plug-in permitem uma poupança significativa à empresa do Isaac.



Notícias em destaque:

O consumidor optar por obter a sua fatura em formato digital, ao invés da tradicional fatura em papel, será a entidade emissora a...

Continuar a ler
Fim das faturas em papel... mas ainda opcional!

Na semana passada conhecemos a empresa “Case SA”, assim como a vontade dos seus sócios, Tiago e João, de autonomizar as diferentes áreas operacionais, estruturando o seu negócio numa lógica...

Continuar a Ler
CASE, S.A. - O início de um grupo empresarial [PARTE 02]

O SIFIDE II, ou Sistema de Incentivos Fiscais em Investigação e Desenvolvimento Empresariais II, é um benefício fiscal que visa apoiar as atividades de...

Visualizar vídeo
Incentivos em Investigação e Desenvolvimento II (SIFIDE II)

Os encargos associados à criação líquida de postos de trabalho, quando constituídos por contratos de trabalho por termo indeterminado, para jovens e desempregados de longa duração, são...

Continuar a ler
Benefício fiscal para a criação de emprego
Visite o nosso arquivo de notícias